domingo, 1 de abril de 2012

O que você anda lendo?


Esses dias me surpreendi com minha amiga jornalista Bianca Hayashi que postou no Facebook que este ano tem a meta de ler 52 livros. Eu respondi que 52 livros em um ano é para os fortes!

Desde então tenho pensado muito a respeito. Conversando com outras amigas do curso de letras (de LETRAS, veja bem!) percebi que isso não está acontecendo só comigo. Elas também estão lendo cada vez menos.

Segunda a 3ª edição da pesquisa Retratos da Leitura no Brasil, divulgada na quarta-feira passada, a média de leitura do brasileiro é de 4 livros por ano, sendo apenas 2,1 livros até o fim. Eu não costumo contar, mas acho que não passo dos 10 livros.

Assim que eu me formei, eu pensei “enfim, liberdade!”, porque depois de seis anos cheia de leituras obrigatórias, eu poderia ler os livros que sempre quis e nunca tinha tempo...voltar aos clássicos: Shakespeare, Cervantes, Dante...conhecer a literatura russa, viajar no realismo fantástico latino-americano, desvendar a prosa de Pessoa, enfim, uma lista de desejos enorme e praticamente infinita...

E eis que, às vezes, eu fico a semana inteira sem pegar meu livro na cabeceira da cama. Falta de tempo? Sono? Tempo demais na academia? No Facebook?

O fato é que o livro deixou de fazer parte do habitus (conceito do sociólogo Pierre Bourdieu) cultural da maioria das pessoas, substituído por TV, internet etc. A vida da gente é cada vez mais corrida e o tempo da leitura é lento, há um descompasso talvez irreversível.

Se eu, jornalista formada em letras, não escapo disso, penso nas crianças e adolescentes, as futuras gerações. Será que elas ainda vão apreciar os grandes livros. Será que Proust e Joyce vão ser esquecidos?

Não sou do tipo saudosista, rato-de-sebo, mas também não acredito que o tablet seja a solução; o suporte é o de menos. Meu medo é que o prazer da leitura seja definitivamente esquecido. O mundo ficaria um pouco mais sem graça...

p.s: a imagem é uma homenagem a Ziraldo, autor do meu livro preferido na infância: "Uma professora muito maluquinha".

2 comentários:

Vanessa Costa disse...

É, Li... eu tb tenho esse medo e também como vc, formada em Letras, leio cada vez menos. Isso incomoda muito! Perdemos o tempo da leitura, aquele em que damos vez e voz à nossa imaginação, à nossa mente, e passamos a viver o tempo do imediatismo, do Facebook, dos emails com o assunto URGENTE. Seremos nós os últimos seres a manipular as cinzas dos falecidos livros?

Vanessa Costa disse...
Este comentário foi removido pelo autor.